“É importante haver novos produtores de leite”

Braga, 12/03/2014 - Jornadas Empreendedorismo Agrícola  no Hotel Mélia na cidade de Braga.Fernando Cardoso, diretor-geral da Fenalac, a Federação Nacional das Cooperativas de Leite e Laticínios, foi o orador principal das Jornadas de Empreendedorismo Agrícola JN/DN/Millennium bcp e assinalou um facto digno de medalha olímpica: “Os produtores portugueses fizeram em dez anos o que outros levaram vinte anos a fazer até chegar a parâmetros médios de dimensão de exploração.”
Há vinte anos, Portugal tinha 60 mil produtores e colocava no mercado 1500 toneladas de leite. Hoje há apenas 20 mil produtores mas a produção já vai nas 1800 toneladas. O sector leiteiro vale 800 milhões de euros e só os quatro associados da Fenalac – Agros, Proleite, Lacticoop e Serraleite – valem 70% da produção de Portugal continental, com um volume de negócios de 325 milhões de euros.
Mas uma das grandes preocupações do diretor da Fenalac prende-se com o envelhecimento destes protagonistas. Se em 1998, 55% dos produtores tinham menos de 50 anos, hoje serão apenas 40%. O rejuvenescimento com a entrada de novos empreendedores e a passagem do testemunho para as novas gerações é prioritária. E neste campo, defende que também será necessário facilitar a vida aos jovens, combatendo a burocratização e agilizando os processos de licenciamento.
Tratando-se também de uma área que exige uma grande intensidade de financiamento, Fernando Cardoso espera que os fundos comunitários para 2020 não padeçam dos mesmos males do anterior Proder, terminado em 2013. Segundo ele, terá havido um conjunto de preconceitos que “partiam do pressuposto de que o sector leiteiro não precisaria de ajuda”. Por isso, reitera a esperança de que desta vez “haja apenas descriminação entre bons e maus projetos”.